COIMBRA EM RÉ MENOR

A cadência de um passo dado duas vezes,
o profundo da noite no bolso do convidado,
a beleza e o branco.

O sorriso que regula o frescor de um instrumento dourado,
uns lábios tecidos com a esperança de um chapéu de palha,
e o jazz .. o jazz e as suas sandálias,
o som e os seus dedos no abismo,
a própria garganta do aguaceiro,
a nota loira trepando pelo descampado,
o sol na banheira do bosque,
o afrodisíaco e o seu big band.

A sede e o prato, lago e travessia, corpo e anseio, voz e penumbra,
cães e anos surpreendidos na chama de um verso de Caeiro.

 

 

Traducción de Carlos Castihlo Pais

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *